Informativo

Mossoroenses vão às ruas contra a Reforma da Previdência e retirada de direitos

img

Compartilhe

Data: 14/06/2019 | Autor: Deivson Mendes | Foto: Deivson Mendes

Cerca de 6 mil pessoas participaram em Mossoró da Greve Geral organizada pelas centrais sindicais. O protesto que aconteceu nesta sexta-feira(14) em todo o país é contra a Reforma da Previdência, cortes na educação e desemprego. Em maio o número de pessoas em busca de emprego chegou a 13,4 milhões, segundo o IBGE.

O protesto teve iniciou às 15h em frente à igreja católica no Alto de São Manuel na Av. Presidente Dultra e seguiu até a Praça do PAX, no centro da cidade. A manifestação contou com a participação de petroleiros, caminhoneiros, metalúrgicos, professores, servidores públicos e profissionais da saúde, bancários e dezenas de outras categorias.

A organização foi lidera por membros das centrais sindicais(CUT, CTB, CSP-Conlutas, Intersindical e Força Sindical) contidas na Frente Brasil Popular de Mossoró e Fórum dos Servidores Públicos do Oeste Potiguar, com apoio de diversos sindicatos, movimentos sociais e estudantes.

Para Dagmá Rego Queiroz, Coordenador Geral do SINASEFE Seção Mossoró, a reforma quer impor um regime de capitalização no qual cada trabalhador vai bancar sozinho sua própria aposentadoria. "O trabalhador não terá contribuição de governos e patrões. O regime de capitalização enriquece banqueiros e acaba com a previdência social pública", destaca o dirigente.

Sobre os cortes na educação, o dirigente explica que atinge diretamente a receita das instituições e a formação dos estudantes. “O prejuízo para o povo brasileiro vai muito além do atraso na formação dos estudantes. As Universidades e Institutos Federais desenvolvem pesquisas vitais para a população, mais de 95% de toda a pesquisa e extensão e de toda a produção científica do Brasil é realizada nestas instituições”, relata o Coordenador.

Sobre a Greve Geral no país, o site Brasil 247 informou que das 27 capitais, 19 tiveram o sistema de ônibus afetado pela mobilização. Outras oito não tiveram interrupção no transporte coletivo por ônibus, mas registraram bloqueios de ruas ou estradas por manifestantes.

 

Deixe seu Comentário